ANÁLISE DE RISCO DAS EMPRESAS LISTADAS NO ISE 2018 DA B3

Palavras-chave: Sustentabilidade, Gestão de risco, Indicadores de risco.

Resumo

Este estudo tem por objetivo analisar se as empresas listadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) 2018 da B3 apresentam risco diferente em relação ao seu tamanho. Para realização desta pesquisa quantitativa, foram analisados 120 demonstrativos financeiros, referentes aos períodos de 2013 a 2017, das 24 empresas listadas no índice, excluídas as instituições financeiras. A pesquisa se classifica como descritiva e exploratória quanto aos seus objetivos e quanto aos procedimentos é uma pesquisa documental. Os indicadores utilizados foram o saldo de tesouraria de Fleuriet, liquidez corrente, endividamento geral, fator de insolvência de Kanitz e Valor Econômico Agregado. Os resultados obtidos por meio da análise dos dados com os indicadores financeiros, indicam que as empresas do ISE, em sua maior parte, apresentam baixo risco, e que ao dividir as empresas em dois grupos, um com os maiores ativos e outro com os menores do índice, consegue se verificar que os que tem menores ativos se sobressaem em relação ao outro, em relação ao saldo de tesouraria, liquidez corrente e no fator de solvência, que indicam que essas empresas apresentam risco menor. Como sugestão para novas pesquisa, seria importante comparar o risco das empresas do ISE com os demais índices, também se tem a possibilidade de utilizar outros indicadores para análise de risco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evandro Tiozo, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
Graduado em Administração pela UNIOESTE, com especialização em Gestão Empresarial pelo Centro Universitário FAG e mestrando em Administração na linha de Sustentabilidade pela UNIOESTE.
Edison Luiz Leismann, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
Professor Associado da Unioeste-PR. Doutor em Economia Aplicada pela UFV com Pós Doutorado em Administração pela UFPE. Professor do PPGA-Programa de Pós Graduação em Administração-Mestrado Profissional - UNIOESTE-Cascavel-PR.

Referências

ALMEIDA, L. S. F.; VIEIRA NETO, J.; TELLES SALLES, M.; PEREIRA SOARES, C. A.; ESTEVES, Y. O. Análise comparativa entre o EVA® e os indicadores financeiros (contábeis) tradicionais de empresas da construção civil brasileira: um estudo documental. Gestão & Produção, v. 23, n. 4, 2016, pp. 733-756.

AMEER, R.; OTHMAN, R. Sustainability practices and corporate financial performance: A study based on the top global corporations. Journal of Business Ethics, v. 108, n. 1, jun 2012, pp. 61-79.

ASSAF NETO, A. Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro. 9ª ed. São Paulo, Atlas, 2010.

ASSIS, L. M.; MARTINS, M. A. S. Aplicação do termômetro de Kanitz a partir da evidenciação de indicadores econômico-financeiros de empresas listadas na BM&FBOVESPA. RGSN – Revista Gestão, Sustentabilidade e Negócios, Porto Alegre, v. 5, n. 1, jun. 2017, pp. 62-80.

CARVALHO FILHO, M.; PIMENTEL, M. S.; BERTINO, R. M. J.; OLIVEIRA, A. R. L. Índice de sustentabilidade empresarial: Uma análise acerca da evidenciação do passivo ambiental. Revista Ambiente Contábil – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, v. 10, n. 1, 2018, pp. 104-120.

CLARK, G. L.; FEINER, A.; VIEHS, M. From the stockholder to the stakeholder: How sustainability can drive financial outperformance. 2015.

DA SILVA, S. S.; REIS, R. P.; AMÂNCIO, R. Paradigmas ambientais nos relatos de sustentabilidade de organizações do setor de energia elétrica. Revista de Administração Mackenzie, v. 12, n. 3, mai/jun 2011, pp. 146-176.

DE ALMEIDA, H. J. L.; DO NASCIMENTO JUNIOR, E. R.; COSTA, A. J. B. Práticas de sustentabilidade corporativa no Brasil: análise das instituições financeiras integrantes do índice de sustentabilidade empresarial. Revista Gestão e Desenvolvimento, v. 14, n. 1, jan/jun 2017, pp. 84-99.

DE MELO, E. C.; DE ALMEIDA, F. M.; DA SILVA SANTANA, G. A. Índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e desempenho financeiro das empresas do setor de papel e celulose. Revista Contabilidade e Controladoria, v. 4, n. 3, 2012, pp. 95-112.

DE OLIVEIRA CLARO, P. B.; PIMENTEL CLARO, D. Sustentabilidade estratégica: existe retorno no longo prazo? Revista de Administração – RAUSP, v. 49, n. 2, abr/mai/jun 2014, pp. 291-306.

DE SOUSA, F. A.; ALBUQUERQUE, L. S.; RÊGO, T. F.; RODRIGUES, M. A. Responsabilidade social empresarial: uma análise sobre a correlação entre a variação do índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e o lucro das empresas socialmente responsáveis que compõem esse índice. Revista REUNIR, v. 1, n. 1, 2011, pp. 52-68.

ECCLES, R. G.; IOANNOU, I.; SERAFEIM, G. The impact of corporate sustainability on organizational processes and performance. Management Science, v. 60, n. 11, 2014, pp. 2835-2857.

ECONOMIC VALUE ADDED® – EVA®. Disponível em: <http://www.eva.com/>. Acesso em: 20 jul. 2018.

FLAMMER, C. A responsabilidade social corporativa leva a um desempenho financeiro superior? Uma abordagem de descontinuidade de regressão. Management Science, v. 61, n. 11, 2015, pp. 2549-2568.

FLEURIET, M.; KEHDY, R.; BLANC, G. O modelo Fleuriet: a dinâmica financeira das empresas brasileiras: um novo método de análise, orçamento e planejamento financeiro. Rio de Janeiro, Elsevier, 2003.

FULTON, M.; KAHN, B.; SHARPLES, C. Sustainable investing: Establishing long-term value and performance. Sustainable Investing, jun 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GITMAN, L. J. Princípios de Administração Financeira. 12ª ed. São Paulo, Pearson Prentice Hall, 2010.

GOLDNER NUNES, J.; TEIXEIRA, A. J. C.; NOSSA, V.; GALDI, F. C. Análise das variáveis que influenciam a adesão das empresas ao índice BM&F Bovespa de sustentabilidade empresarial. BASE – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 7, n. 4, 2010, pp. 328-340.

GOMES, E. L. Índice de sustentabilidade empresarial (ISE) da BM&FBOVESPA: Motivação para Buscar a Adesão. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis. Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo-RS, 2017.

HAHN, T.; FIGGE, F.; PINKSE, J.; PREUSS, L. A paradox perspective on corporate sustainability: Descriptive, instrumental, and normative aspects. Journal of Business Ethics, v. 148, n. 2, 2018, pp. 235-248.

KAUARK, F.; MANHÃES, F. C.; MEDEIROS, C. H. Metodologia da pesquisa: guia prático. Itabuna: Via Litterarum, 2010.

ORELLANO, V. I. F.; QUIOTA, S. Análise do retorno dos investimentos socioambientais das empresas brasileiras. RAE – Revista de Administração de Empresas, v.51, n. 5, set/out 2011, pp. 471-484.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

PLETSCH, C. S.; REIF, E.; SILVA, T. P. Análise da relação entre o valor econômico agregado (EVA) e os indicadores do mercado de empresas brasileiras. Revista Facultad de Ciencias Económicas: Investigación y Reflexión, v. 23, n. 1, 2015, pp. 157-173.

RAITHEL, S.; SCHRECK, P. Corporate Social Performance, Firm Size, and Organizational Visibility: Distinct and Joint Effects on Voluntary Sustainability Reporting. Business & Society, v. 57, n.4, 2018, pp. 742-778.

SALEH, M.; ZULKIFLI, N.; MUHAMAD, R. Procurando evidências da relação entre responsabilidade social corporativa e desempenho financeiro corporativo em um mercado emergente. Jornal de Negócios da Ásia-Pacífico, v. 3, n. 2, 2011, pp. 165-190.

SERRA, R. G.; FELSBERG, A. V.; FÁVERO, L. P. Dez anos do ISE: uma análise dos risco-retorno. Revista REUNIR, v. 7, n. 2, 2017, pp. 29-47.

TODESCHINI, C.; DE MELLO, G. R. Rentabilidade e sustentabilidade empresarial das empresas do setor de energia. Revista Contabilidade e Controladoria, v. 5, n. 3, set/dez 2013, pp. 33-46.

Publicado
2019-07-16
Como Citar
Tiozo, E., & Leismann, E. (2019). ANÁLISE DE RISCO DAS EMPRESAS LISTADAS NO ISE 2018 DA B3. REUNIR Revista De Administração Contabilidade E Sustentabilidade, 9(1), 27-40. https://doi.org/10.18696/reunir.v9i1.814
Seção
Artigos científicos