Quanto mais afeto, maior é o comprometimento

uma análise da percepção dos estudantes de Ciências Contábeis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18696/reunir.v13i4.1115

Palavras-chave:

Afetividade, Ensino-Aprendizagem, Motivação

Resumo

O presente estudo teve como objetivo analisar a percepção dos estudantes de Ciências Contábeis quanto à influência da afetividade e do comprometimento no processo de ensino-aprendizagem a partir da Teoria Walloniana. O estudo descritivo, do tipo survey, possui abordagem quantitativa, com uma amostra de 149 estudantes de 4 campi de uma das maiores universidades privadas do país. Os dados foram analisados por meio da estatística descritiva, do Teste do Qui-quadrado e do Teste Kruskall- Wallis. Os resultados evidenciaram que 92% dos estudantes percebem a afetividade como um fator relevante para o processo de ensino-aprendizagem. Essa relevância decorre do efeito estimulador que o professor e a instituição exercem sobre o estudante. Os alunos tendem a se comprometer e a dedicarem mais quando sentem que o professor: (i) possui empatia pela turma, (ii) se preocupa com a aprendizagem do aluno ou (iii) quando a disciplina trata de algo do seu interesse. Entretanto, essa influência da afetividade terá maior ou menor peso dependendo da motivação do aluno. O estudo contribui com o debate sobre o papel da afetividade apresentando evidências quanto à sua importância para o estímulo/desestímulo do estudante e a melhoria do processo de ensino-aprendizagem nos cursos de Ciências Contábeis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline de Lourdes Lima, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Bacharel em Ciências Contábeis pela PUC Minas

Vagner Antônio Marques, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutor em Administração (Finanças) e em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Minas Gerais

Professor do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Espírito Santo

 

João Estevão Barbosa Neto, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Contabilidade e Controladoria pela Universidade de São Paulo

Professor do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal de Minas Gerais

Viviane da Costa Freitag, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Professora do Departamento de Finanças e Contabilidade da Universidade Federal da Paraíba

 

Referências

Albuquerque, C. (2010). Processo ensino‐aprendizagem: Características do professor eficaz. Millenium: Journal of Education, Technologies, and Health, 39, 55-71.

Astin, A. W. (1984). Student involvement: a developmental theory for higher education. Journal of College Student Development, 40(5), 518-529.

Barbosa, Neto., J. E. (2016). Comprometimento dos estudantes dos cursos de ciências contábeis. (Tese de Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

Beck, F. & Rausch, R. (2014). Fatores que influenciam o processo ensino-aprendizagem na percepção de discentes do curso de Ciências Contábeis. Contabilidade Vista & Revista, 25(2), 38-58.

Beni, P., Breno, F., Villela, L., Esteve, R., Jones, G. & Forte, D. (2017). Processo de ensino-aprendizagem e a interação de professores e alunos em um curso de graduação em administração de empresas. Administração: Ensino e Pesquisa, 18(2), 345-374. DOI: https://doi.org/10.13058/raep.2017.v18n2.565.

Carmo, E., Chagas, J., Figueiredo Filho, D. & Rocha, E. (2014). Políticas públicas de democratização do acesso ao ensino superior e estrutura básica de formação no ensino médio regular. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 95(240), 304-327. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.95i240.309

Cervo, A., Bervian, P., & Silva, R. (2006). Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Prentice Hall.

Cooper, D., & Schindler, P. (2003). Métodos de pesquisa em administração (7a. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Costa, R., & Silva, D. (2013). O papel do professor como motivador no ensino de língua inglesa. In Anais do 3º Congresso de Educação, 4º Seminário de Estágio e 1º Encontro do PIBID. Iporá, Goiás, Brasil.

Engers, M., & Morosini, M. (2007). Pedagogia universitária e aprendizagem. Porto Alegre: Edipucrs.

Felicetti, V. (2011). Comprometimento do estudante: um elo entre aprendizagem e inclusão social na qualidade da educação superior. (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Felicetti, V., & Morosini, M. (2010). Do compromisso ao comprometimento: o estudante e a aprendizagem. Especial, 2, 23-44. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40602010000500002

Ferreira, A., & Acioly-Régnier, N. (2010). Contribuições de Henri Wallon à relação cognição e afetividade na educação. Educar em Revista, 36, 21-38. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40602010000100003

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS (2a. ed.). Porto Alegre: Artmed.

Harper, S., & Quaye, S. (2009). Student engagement in higher education: theorical perspectives and practices approaches for diverses populations. New York: Routledge.

Harvey, L. (2011). Qualidade analítica glossário. Quality Research International, 14-43.

Klein, H. J. (2009). Conceptual foundations: construct definitions and theoretical representations of workplace commitments. In Klien, H. J.; Becker, T. E.; Meyer, J. P. Commitment in organizations: accumulated wisdom and new directions (pp. 3-36). Ohio: Routledge Academic.

Libâneo, J. (2005). As teorias pedagógicas modernas revisitadas pelo debate contemporâneo na educação. In: Libâneo, J.; Santos, A. Educação na era do conhecimento em rede & transdiciplinaridade (1a. ed., pp. 15-58). Campinas, São Paulo: Alínea.

Mahoney, A.; Almeida, L. (2005). Afetividade e o processo de ensino-aprendizagem: contribuições de Henri Wallon. Psicologia da Educação, 20, 11-30.

Malhotra, N. (2006). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada (4a. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Masetto, M. (2005). Docência universitária: repensando a aula. In Teodor, A.; Vasconcelos, M. Ensinar a aprender no Ensino Superior (2a. ed., pp. 61-78). São Paulo: Mackenzie, Cortez.

Medeiros, C. (2003). Comprometimento organizacional: um estudo de suas relações com características organizacionais e desempenho nas empresas hoteleiras. 2003. (Tese de Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Meyer, J., Allen, N., & Gellatly, I. (1990). Affective and continuance commitment to the organization: evaluation of measures and analysis of concurrent and time-lagged relations. Journal of Applied Psychology, 75(6), 710-720. DOI: http://dx.doi-org.ez43.periodicos.capes.gov.br/10.1037/0021-9010.75.6.710

Móran, J. (2015). Mudando a educação com metodologias ativas. In: Carlos, A. S; Ofelia; E. M. Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens (pp. 15-33). Ponta Grossa, Paraná: UEPG/PROEX.

Mowday, R., Porter, L., & Steers, R. (1982). Employee-organization linkages: the psychology of commitment, absenteeism and turnover. New York: Academic Press.

Muzikami, M. (1986). Ensino: As abordagens do processo. São Paulo: EPU.

Oliveira, D., & Kottel, A. (2016). Determinantes comportamentais e emocionais no processo de ensino-aprendizagem. Cadernosaberes, 5(6), 1-12.

Pace, R. C. (1979). The other side of accountability: measuring students' use of facilities and opportunities. In. Anais do Forum of the Association for Institucional Research. San Diego, California, US.

Paiva, K., Santos, A, Barros, V., & Melo, M. (2013). Comprometimento discente e competências docentes: um estudo com alunos de ciências contábeis de uma instituição particular. In Anais do 36º Encontro Anual da Associação Nacional de Programas de Pós Graduação em Administração - EnamPad. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Queiroz, F., Queiroz, J., Vasconcelos, N., Furukava, M., Hékis, H., & Pereira, F. (2013). Transformações no ensino superior brasileiro: análise das instituições privadas de ensino superior no compasso com as políticas de Estado. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 21(79), 349-369. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40362013000200009

Raupp, F., & Beuren, I. (2006). Metodologia aplicável às ciências sociais. In Beuren, I. M. Como elaborar trabalhos monográficos em Contabilidade: teoria e prática (pp. 76-97). São Paulo: Atlas.

Ribeiro, M. (2010). A afetividade na relação educativa. Estudos de Psicologia, 27(3), 403-412. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2010000300012

Ristoff, D. (2014). O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil socioeconômico do estudante de graduação. Avaliação. Revista da Avaliação da Educação, 19(3), 723-747. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-40772014000300010

Rocha, L., & Gueller, M. (2013). Fatores que permeiam o comprometimento dos alunos na aprendizagem da Matemática. In Anais do 1º Congresso de Educación Matemática de América Central y el Caribe – CEMACYC. Santo Domingo, República Dominicana.

Siegel, S., & Castellan, Jr., N. (2006). Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Porto Alegre: Artmed.

Souza, C., & Ribeiro, M. (2017). Representações de práticas que afetam negativamente estudantes de Engenharia Civil. Plures Humanidades, 18(1), 158-176.

Vendruscolo, M., & Bercht, M. (2015). Prática pedagógica de docentes no curso de ciências contábeis da região sul e sudeste do Brasil: um estudo da percepção da afetividade. ConTexto, 15(29), 113-128.

Publicado

2024-04-02

Como Citar

Lima, A. de L., Marques, V. A., Barbosa Neto, J. E., & Freitag, V. da C. (2024). Quanto mais afeto, maior é o comprometimento: uma análise da percepção dos estudantes de Ciências Contábeis. REUNIR Revista De Administração Contabilidade E Sustentabilidade, 13(4), 157-176. https://doi.org/10.18696/reunir.v13i4.1115

Edição

Seção

Artigos científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)